Atualidades

Profissão mãe: amar, parir e amamentar

Juliana Feliciano engravidou e se viu em um universo completamente novo. E qual mãe não passa por isso? A gestação de um filho é um dos períodos mais importantes, é quando a mulher se descobre extensão da vida, com as responsabilidades de amar e educar. Para Juliana, esse momento trouxe diversas questões às quais ela precisava entender melhor para o bem dela e principalmente, para o bem de seu filho, Joaquim.

Em todo o Brasil existem diversos grupos de apoio às gestantes, mas de acordo com Juliana nem todos focam no incentivo ao parto natural e maternidade ativa. Segundo estudos, relata-se que há 200 anos os partos eram realizados em casa, sendo considerados eventos domésticos, fisiológicos, os quais não precisavam da assistência de um médico. No entanto, os casos graves abriram a necessidade da atuação do médico nesse tipo de procedimento mais delicado. Desde então, o ato natural deixou de ser natural.

Durante a gestação, Juliana Feliciano foi à luta procurando informações e durante esse processo, após frequentar um grupo em Niterói, conheceu diversas doulas, que assim como ela, queriam transmitir conhecimento para outras mulheres.

Graças ao 1º Mamaço de Cabo Frio, também o primeiro em todo o estado do Rio de Janeiro, que aconteceu em abril deste ano na principal praça da cidade, a mamãe Juliana e o pequeno Joaquim tiveram suas esperanças renovadas de que conseguiriam passar para outras mulheres informações de extrema importância. Durante esse evento, Juliana Feliciano uniu forças com Juliana Monteiro, e em sequência, junto com Roberta Calábria (doula), Juliana Lobato (enfermeira obstétrica) e Daniele Sá (doula e psicóloga), formaram o Grupo Parir.

– Somos um grupo com uma vontade coletiva de trazer informação e mudar a forma de pensar, não só das mulheres, mas também dos profissionais em obstetrícia e saúde da mulher – diz Juliana Feliciano, que também é cantora.

Todas as cinco possuem uma história atrelada a essa necessidade de transmitir informações para outras mulheres. Segundo Juliana Feliciano, “esse era um projeto latente no coração de nós cinco. Tínhamos a vontade de montar algo na cidade de Cabo Frio que não só incentivasse o parto humanizado, mas que também plantasse ações no meio médico, mesmo que em longo prazo”.

O Grupo Parir ainda está em “processo de gestação”, isto é, ainda não possui sede própria. Por enquanto, as reuniões acontecem uma vez ao mês no Charitas, em Cabo Frio, e as datas variam de acordo com a disponibilidade das organizadoras. O objetivo, de acordo com Juliana Feliciano, é de que, futuramente, os encontros sejam quinzenais.

O maior obstáculo até então, que o Grupo Parir vem encontrando é com relação à aceitação da população, que já está habituada ao sistema. “O comodismo social é sempre um empecilho para o desconhecido. No nosso caso, lutamos por algo que, mesmo sendo natural, é ainda muito rejeitado. A facilidade de se marcar uma cesariana e a ideia de ser um procedimento ‘sem dor’, seduziu a população como um todo. Porém, não tenham medo, mulheres! Parir é maravilhoso. A dor existe, mas ela passa no momento imediato que você pensa no seu filho e no amor que aquele ato está imprimindo numa vida inteira”, finalizou Juliana.

Anteriores

Corpos em movimento

Próximas

Discreto sem perder potência

EdiCom

EdiCom

Somos especializados em descobrir soluções de divulgação da sua marca no universo online, principalmente nas redes sociais.
Entre em contato conosco e descubra o melhor plano pra sua empresa.

2 Comentários

  1. Shayenny
    27 de março de 2016 para 10:55 am — Responder

    Bom dia.
    Acho linda a iniciativa, não há nada melhor para a mãe e paro o bebe do que o parto humanizado. Quero que meu parto seja humanizado, moro em Rio das Ostras, ainda não estou gravida mas já estou fazendo planos para isso, inclusive já escolhi o hospital para fazer o parto humanizado, porém estou a procura de uma doula.Como faço para assistir as reuniões???Vcs tem esse acompanhamento a gestante???
    Desde já grata.
    No aguardo.

    • EdiCom
      28 de março de 2016 para 3:00 pm — Responder

      Oi, Shayenny! Obrigado pelo contato.
      Vamos entrar em contato com a pessoa responsável daqui e te retornamos por email, ok?
      Boa tarde! ^^

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *