Esporte

Continência de atletas brasileiros no Pan torna-se comum e gera polêmica nas redes sociais

Os Jogos Pan-Americanos de Toronto deste ano será lembrado por uma cena comum no pódio brasileiro. Com 123 atletas militares no Pan, um quinto da delegação, o ato de prestar continência ao ouvir o hino nacional foi algo comum entre os representantes brasileiros.

Das 55 medalhas do Brasil no Pan, quase metade foram conquistadas por atletas militares. Assim, o ato foi visto em quase todos os pódios do judô, além da natação, remo e badminton, entre outros.

O COB (Comitê Olímpico do Brasil) defendeu nesta quarta-feira (15) a prestação de continência no pódio feita por atletas das Forças Armadas ao afirmar que se trata de manifestação de patriotismo.

“Prestar continência para a bandeira é o que eles [Forças Armadas] recomendam e a gente sente orgulho de fazer. Fizemos a iniciação lá dentro. Pegamos o espírito do militarismo”, disse a judoca Mayra Aguiar, terceiro-sargento da Marinha desde 2010.

Nas redes sociais, o assunto motivou controvérsia. Enquanto alguns usuários manifestaram naturalidade em relação ao ato e minimizaram a polêmica, outros notaram que atletas também militares não fizeram o gesto em torneios anteriores.

Nos últimos anos, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) fechou parceria com as Forças Armadas, que passaram a incorporar atletas de alto rendimento. Os esportistas têm direito a benefícios como salários, 13º, locais de treinamento e plano de saúde. Também são beneficiados por bolsas do Ministério do Esporte.

O COI (Comitê Olímpico Internacional) proíbe manifestações políticas nas premiações olímpicas – regra replicada no Pan –, mas o COB diz que não se trata de uma posição ideológica e sim uma forma de amor à pátria. Além disso, segundo o COB, a continência é prevista no Regulamento de Continências, Honras e Sinais de Respeito, das Forças Armadas.

Anteriores

Após mortes, governo russo cria campanha para selfie seguro

Próximas

Stephen Hawking doará US$ 100 milhões para projeto que busca vida extraterreste

Christopher Lima

Christopher Lima

Sou formado em Comunicação Social (Jornalismo). Quem quiser saber mais, basta clicar no link do fb.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *