Atualidades

Alunos de Cabo Frio e Saquarema participam de desafio da Nasa

Uma equipe formada por alunos de Cabo Frio e de Saquarema participa do seleto desafio Rover Challenge, competição organizada pelo Marshall Space Flight Center da Nasa, em Huntsville, Alabama (EUA). A disputa acontece de 16 a 18 de abril e o objetivo é estimular estudantes a projetar, construir e testar veículos movidos pela força humana, também conhecidos como “Rover”.

“Estamos muito animados para a competição. Nossa equipe está muito unida e trabalhando em prol do nosso projeto, que consiste em desenvolver veículo de exploração espacial adaptado para andar em solos extraterrestres, como em Marte e na Lua”, comentou o estudante Felipe Valeriote, lider do grupo Apha Team Brazil.

Esta é a primeira vez que o time Brazil Monaco Global Institute (BMGIS) da Região dos Lagos participa da competição. Em 2019, o estudante Felipe Valeriote e sua equipe Apha Team Brazil ficaram entre os vinte melhores, ocupando a 13ª posição no ranking mundial, à frente, inclusive, de outras equipes que já haviam participado da competição. O Rover está sendo construído em Saquarema.

A BMGIS é composta por Felipe Valeriote (líder do time), Marcus Alexandre, Maycon Quites, Vinicius Donato, Daniel Martins, Rafaella Knauft, João Felipe, Andrew Vila e pelo professor e orientador, Lourival Zacharias. Durante a competição, os estudantes testam o equipamento em um circuito que simula as condições do sistema solar e realizam tarefas como coletar e devolver amostras, tirar fotografias, plantar uma bandeira, além de corrida cronometrada.

“Responsabilidade grande este ano porque lidero um time maior do que o do ano passado. Eu e minha equipe esperamos nos dedicar ao máximo por que paixão pela tecnologia espacial é o que nos move. E o que nos difere é a nossa união, a soma de esforços para solucionar os problemas por meio dessa área. Estamos felizes em participar da competição”, contou Felipe Valeriote, líder da equipe.

O Rover é um tipo de carrinho cujo objetivo é manter os astronautas ativos e saudáveis durante as expedições fora da Terra. O intuito do carrinho (Rover) é não deixar que os astronautas percam massa muscular e frequência cardíaca em territórios com pouca gravidade.

Rover sustentável
Segundo Felipe, o equipamento deste ano é um quadriciclo que não visa apenas a sustentabilidade. Um dos objetivos é fazer um veículo mais veloz, que trará alusões às mudanças climáticas e temas afins. O aparelho está sendo desenvolvido por engenheiros e por membros da equipe em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF), que apoia o projeto.

A construção do veículo é inspirada ainda em várias características do Principado de Mônaco e a peça, inclusive, levará o nome do príncipe Albert. A homenagem se deve ao fato de o país ter apoiado a equipe na competição do ano passado e continuar com o incentivo em 2020. O apoio foi oferecido por meio da Associação Brazil Monaco Project, da qual Luciana de Montigny é a presidente de honra, e do Dr. Ilhami Aygun, presidente da empresa de satélite Mônaco Sat.

Sobre o Rover Challenge Nasa
Anualmente, mais de 100 equipes participam do desafio de exploração humana da Nasa. Cada país pode inscrever até quatro grupos nas categorias high school ou college. O Brasil possui quatro equipes, sendo duas delas sediadas em Saquarema, na Região dos Lagos, uma em São Gonçalo (categoria high school) e outra em Petrópolis (college).

A competição é uma das iniciativas da Nasa para incentivar os alunos a estudar os campos Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, conhecidos como STEM, e, assim, inspirar a próxima geração de exploradores. Tanto a disputa, que acontece durante dois dias, quanto a cerimônia de premiação, serão transmitidos ao vivo pelo Facebook Live, Periscope, Ustream, entre outros.

“O mais importante para todos nós é representar o nosso país da melhor forma. Infelizmente não temos apoio do Governo, mas vamos lutar todos os dias para conseguirmos atingir os nossos objetivos”, destacou Felipe.

Apoio para competir
Apesar do interesse dos jovens por tecnologia espacial e de já terem participado de outras competições, falta patrocínio para que os estudantes consigam montar o rover e custear a viagem aos Estados Unidos. Os alunos têm usado da criatividade para conseguir os recursos, seja utilizando materiais recicláveis, buscando ajuda no comércio regional e também com um vaquinha online (https://www.vakinha.com.br/vaquinha/jovens-na-nasa) ou pelo telefone (22) 98801-3695.

Anteriores

Grupo Escoteiros de São Pedro da Aldeia abre inscrições para novos membros próximo sábado

Próximas

Big Brother Brasil: como o reality influencia na vida dos fãs

Gabriela Pereira

Gabriela Pereira

Jornalista apaixonada pela arte da escrita.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *