Tecnologia

Sete motivos que te farão sentir saudades do MSN Messenger

Quem utilizava a internet no começo dos anos 2000, sabe como a rede era bem diferente dos dias atuais. E um dos marcos dessa época pré-Facebook e smartphones foi o programa de mensagens instantâneas, o MSN Messenger.

O serviço é de propriedade da empresa Microsoft e foi lançado em 1999. Esteve em funcionamento com este nome até o final do ano de 2005, quando foi alterado para Windows Live Messenger.

O Messenger surgiu como concorrente do ICQ, o programa precursor das comunicações deste gênero. Conquistou muitos usuários em todo o mundo, sendo que o Brasil é o mercado que ocupa a posição número um, com mais de 30 milhões de pessoas utilizando o serviço.

Separamos alguns elementos que fazem desse programa algo marcado eternamente na memória dos usuários e que não conseguiram ser imitados pelas redes sociais atuais.

Chamar atenção

Muita gente reclama hoje em dia que é ignorado na conversa após a confirmação de conversa revelar que o outro usuário já leu o que foi enviado. O MSN contava com um recurso que basicamente forçava os usuários a responderem as conversas.

Além do cursor na barra inferior ficar piscando sempre ao receber mensagens, a opção de “Chamar atenção”, fazia barulho e tremia a tela. Em alguns casos, o usuário poderia até travar o computador alheio se insistisse demais em chamar atenção do outro.

 

 

 

 

 

 

Saber o que o outro estava ouvindo

Antes do Spotify e outras plataformas de música por streaming fazerem sucesso, os usuários de internet geralmente escutavam os principais artistas da época em programas como o Windows Media Player, baixados da internet ou transferidos de CD para o computador em formato MP3. O MSN podia se vincular ao programa e detectar automaticamente as músicas que eram reproduzidas no computador. O que revelava muito sobre o gosto musical dos usuários.

 

 

 

 

 

 

Quem está online?

O simples fato de um amigo ficar online no MSN já era um grande acontecimento: sempre que isso acontecia, subia uma barra lateral entregando o sujeito. Algumas pessoas usavam esse recurso para chamar atenção de todos os contatos para algo relevante, ou não, alternando entre o modo online e offline várias vezes seguidas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Qual é seu ‘nick’?

Poucas pessoas utilizavam o nome formal no MSN. O programa oferecia a opção de caracteres especiais e muitos usuários aproveitam para criar “Nicks”, (reducionismo de ‘nickname’, apelido em inglês). Alternando entre maiúsculas e minúsculas, personalizando as cores e fontes do nome ou adicionando caracteres, a moda da época era ter uma identificação única.

Além disso, existia um espaço para descrição breve, o “subnick”, que muitas vezes era utilizado para registrar frases de músicas preferidas ou simplesmente indiretas para outros usuários.

 

 

 

 

 

 

 

 

Stickers invasivos

Com algumas atualizações, o MSN deixou de ser um comunicador instantâneo de mensagens para se transformar num comunicador de figuras. No meio da convers, alguém poderia mandar uma das imagens gigantes e que interagiam na tela.

 

 

 

 

 

 

Status “Ausente e Invisível”

Para despistar alguns chatos que insistiam em puxar conversa ao entrar no MSN, muita gente passou a deixar o status “Ausente”, quando ainda estava online. Mesmo porque não adiantava muito deixar “Ocupado”. Ninguém levava isso a sério. Numa medida mais radical, alguns permaneciam invisível para todos os contatos, exceto aqueles com quem o papo não terminava tão cedo.

 

 

 

 

 

 

 

Fontes com emoticons e Gifs

Além de emoticons e stickers, o MSN permitia personalizar as letras da conversa. Isso gerava conversas com ícones e fontes diversas. Existiam pacotes (ou packs) de emoticons de todos os ícones de sucesso da época, o que permitiam conversas muito mais emotivas e visuais. Com o tempo surgiram também os primeiros GIFs que estão até hoje animando a internet.

Anteriores

O sucesso do evento Aloha Spirit em Cabo Frio

Próximas

Teatro Popular de Rio das Ostras tem noite de samba nesta Quinta

Christopher Lima

Christopher Lima

Sou formado em Comunicação Social (Jornalismo). Quem quiser saber mais, basta clicar no link do fb.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *