Variedades

Tatuadora cria projeto que cobre cicatrizes de mulheres vítimas de violência

Quando uma cliente pediu para Flavia Carvalho fazer uma tatuagem que cobrisse uma cicatriz provocada por agressão, a tatuadora profissional percebeu que poderia fazer mais por todas as mulheres que passam por essa experiência desagradável.

Assim foi criado o projeto “A Flor da Pele”, que tem como objetivo ajudar mulheres vítimas de violência a recuperarem a autoestima por meio de tatuagens. A própria idealizadora sabe na pele como é estar no papel da vítima. Flavia tinha 15 anos quando foi agredida pelo primeiro namorado, que vez ou outra se descontrolava e batia nela. À época, ele pedia perdão, e ela voltava. E muitas vezes se culpava pelos tapas e golpes que recebia.

A tatuadora procurou diversas ONGs e projetos que rejeitaram a ideia por afirmar que não havia demanda. Ela entrou em contato com a Secretaria da Mulher da Prefeitura de Curitiba, onde mora, e firmou uma parceria. Na última terça-feira, eles divulgaram o projeto pelo Facebook – e, em dois dias, Flavia já recebeu mensagens de mais de 40 mulheres contando seus casos de violência.

“Eu fiquei bem impressionada, quando me reuni com a Secretaria, a gente ficava pensando se ia ter demanda, porque eu ouvi bastante ‘não’, né. Mas à medida que você vai divulgando, os casos vão aparecendo”, conta em entrevista ao site BBC Brasil.

Artigo anterior

Água contaminada por esgotos pode representar risco para atletas nos Jogos Olímpicos em 2016

Próximo Artigo:

Estudantes criam máquina de lavar sustentável que não utiliza água

Christopher Lima

Christopher Lima

Sou formado em Comunicação Social (Jornalismo). Quem quiser saber mais, basta clicar no link do fb.

Sem comentário

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *